Transplante de Pâncreas

Acompanhe o TP

Notícias

Transplante de Pâncreas: a CURA ?!

Data de Publicação: 03/12/2014

Fonte: Tenho diabetes tipo 1, e agora?    
Autor: Mark Barone

Informações obtidas na Reunião/Simpósio, no Hospital Bandeirantes de São Paulo, organizada pela Associação para Pesquisa e Assistência em Transplante (APAT). Enquanto os palestrantes eram, em sua maioria, profissionais da equipe de transplantes do grupo HEPATO, na platéia havia muitas pessoas que fizeram ou farão transplante, e seus familiares. Foi uma oportunidade ímpar de conhecer, além das interessantes atualizações sobre o procedimento (transplante), os desafios pelos quais passam essas pessoas, assim como a gratidão que expressam. No depoimento de alguns que receberam o transplante, a emoção e a sensação de cura eram claras, conforme exploraremos abaixo.

 
Foto de João Teófilo (APAT)
 

As principais informações a respeito são as seguintes:

  • O transplante é indicado somente para pessoas com complicações do diabetes tipo 1. No caso de haver, entre as complicações, insuficiência renal, além do transplante de pâncreas é feito o transplante de rim.
  • Após o transplante é necessário tomar remédio imunossupressor todos os dias, para o resto da vida (podem ocorrer efeitos colaterais).
  • O órgão transplantado tem "vida útil" média de 10 a 12 anos.  


Há 3 tipos principais de transplante de pâncreas:

  • Pâncreas isolado (quando não há necessidade de transplante de rim)
  • Pâncreas após rim (modalidade mais praticada atualmente - apesar de haver a desvantagem de receber um órgão de cada doador, as cirurgias feitas em separado são menos desgastantes)
  • Pâncreas e rim simultâneos ou transplante duplo (cirurgia de 8 horas de duração)
 
Vídeo com Entrevista de Médico 
Coordenador do Grupo HEPATO de Transplantes
(Técnica brasileira de transplante de pâncreas
é reconhecida internacionalmente)
 

Número de pessoas na fila em São Paulo, atualmente:

  • 60 pâncreas (média de 3 a 6 meses de espera)
  • 353 pâncreas e rim (média de 2 a 3 anos de espera)
  • 8609 rim


O número anual de transplante de pâncreas no Brasil tem caído por falta de verba/investimento público.

O pâncreas é mais difícil de transplantar do que o rim. Por esse motivo há somente 5 equipes que transplantam pâncreas no Brasil e quem receberá o órgão precisa usar critérios objetivos para escolher com qual equipe fará o transplante.

Mark Barone, Thais Leal, Miriam, João Toéfilo e Lucy Aihara


Quem tem diabetes pode doar órgãos?

  • De acordo com o médicos presentes, há possibilidade de doação de rim e fígado após falecimento, se esses órgãos não apresentarem alterações. Já a doação de 1 rim durante a vida não é aceita, e o pâncreas, e geralmente também o coração, de pessoas com diabetes não são aceitos para transplantes. 


Cura

  • Muitos dos que receberam o transplante de pâncreas relatam estar curados do diabetes. Não há dúvida de que foi uma espécie de "renascer". Contudo, de acordo com Miriam e João Teófilo, o transplante é um tratamento para o diabetes tipo 1, geralmente o último tratamento quando complicações sérias já estão instaladas, impedindo a rotina normal da pessoa. E, caso seja possível ter um bom controle de outra forma, com outro tipo de tratamento, não há razão para pensar no transplante.

* Evento ocorrido no dia 01/06/2014

Fonte: Tenho diabetes tipo 1, e agora? 

Veja mais

Notícias

im Transplante de pâncreas cura diabetes tipo 1
im Dez anos curado da diabetes tipo 1
im Transplante de pâncreas acaba com 41 anos de diabetes
im Diabetes, nefropatia diabética e microalbuminúria
im Novo procedimento oferece esperança de melhora de gastroparesia em pacientes com diabetes